segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Sobre outros lábios


Eu crescia para o verão.
para a água
antiquíssima da cal
crescia violento e nu.

Podiam ver-me crescer rente ao vento,
podiam ver-me em flor,
exasperado e puro.

À beira do silêncio,
eu crescia para o ardor
calcinado dos cardos
e da sede.

Morre-se agora
entre contínuas chuvas,
os lábios só lembrados
de um verão sobre outros lábios.

Eugénio de Andrade, Obscuro domínio