domingo, 6 de novembro de 2011

Eros

François Boucher-Autunm

Nunca o verão se demorara
assim nos lábios
e na água
- como podíamos morrer,
tão próximos
e nus e inocentes?

Eugénio de Andrade, Mar de Setembro