domingo, 18 de dezembro de 2011

Poema das horas mortas...


esta noite conversei tristezas
e ouvi as horas mortas pisando de leve,
para perturbar meu pranto

senti minh' alma desgarrar-se
 e seguir outros rumos,
palmilhar caminhos estranhos,
em busca do meu sorriso
que se perdera no abismo da noite

esta noite eu conversei tristezas
e teci saudades
e magoei meus olhos,
lembrando coisas que já estavam mortas

anilda leão, chão de pedra