terça-feira, 20 de março de 2012

Chegarás...


Chegarás sempre na última palavra
na tarde noturna do desejo
onde a paixão se recolhe
e deposita até os fantasmas
febris do desespero

Chegarás na bruma
das sílabas sonoras do amor
o ar sonando no sonho
como uma nuvem que se perdeu
e fica boiando no horizonte

Chegarás como a sombra
quente do sol
esquecida no adeus
Chegarás para dizer
que o amor se revela
à luz noturna das palavras

Luiz de Miranda