terça-feira, 1 de maio de 2012

As balas e as pedras têm sede


As balas e pedras têm sede
de mutilar o corpo e a vidraça.
é em litros de sangue que se mede
a coragem de lutar contra a desgraça.

Se um cão apodrece entre as begónias
ou um cravo cresce à força de ter estrume
as formigas formam núcleos e colónias
onde é proibido à noite fazer lume.

Amarram-se as cigarras à surpresa
de ter na voz a voz do povo acesa
e acende-se a coragem amarrada.

Revoltam-se as palavras nos poemas
quebrando frases feitas e algemas
em nome da tristeza revoltada.

Joaquim Pessoa,  Português Suave