sábado, 19 de maio de 2012

Balada da água do mar


O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

- Que vendes tu,rapariga,
de turvos seios ao ar?

- Vendo, senhor,água
 do mar.

- Essas lágrimas salobras,
onde te nascem, mãe?

- Choro, senhor, água 
do mar.

 - Coração, esta amargura
tão funda, donde te vem?

- Amarga muito, a água
 do mar.

O mar
sorri ao longe.
Dentes de espuma,
lábios de céu.

García Lorca