Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 28 de julho de 2012

Mar!


Mar!
E é um aberto poema que ressoa
No búzio do areal.

Ah, quem pudesse ouvi-lo sem mais versos
Assim puro,
Assim azul,
Assim salgado...
Universal,

Numa palavra só realizado.

Miguel Torga, Diário