quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Aí, também te espero...


Ai!,
o berço da tua voz,
e esse jeito de mão que tens nas ondas,
Mar!

Quando eu cair exausto
sobre as conchas da praia e fique ali
doente e sem ninguém,
hás-de ser tu quem me trate,
quero que sejas tu a minha Mãe.

Há-de embalar-me a tua voz de berço,
pra que a febre me deixe sossegar;
e hás-de passar, ó Mar!,
pelo meu corpo em chaga,
as tuas mãos piedosas, comovidas,
pra que sintas por mim asa minhas dores
e eu sinta só o bálsamo nas feridas.

Sebastião da Gama, Serra Mãe