terça-feira, 27 de novembro de 2012

De longe...


Era de longe tudo o que eu sonhava.
Por que o direi se não desejo nada
que nada seja em dimensões de amor?
Se apenas sei como em palavras morre
o que em palavras nunca mais direi?

Jorge de Sena