Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

"Quem como eu..."


Quem como eu em silêncio tece
Bailados, jardins e harmonias?
Quem como eu se perde e se dispersa
Nas coisas e nos dias?


Como flor incerta entre os teus dedos
Há harmonias de um bailar sem fim,
E tens o silêncio indizível de um jardim
Invadido de luar e de segredos.

Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra Poética I