Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Céu do poente


Há uma profusão furiosa de final.
Para morrer em triunfo a multidão é apta.
Irrompe entre carmins um ímpeto animal.
A maravilha invade e violenta nos rapta.

Jorge Guillén, tradução de Eugénio de Andrade