domingo, 10 de fevereiro de 2013

«Crépuscule...»


Crepúsculo

Não é a noite, é a lua. O céu, doce
como um copo de leite, faz-te sorrir, meu querido apaixonado.
E falas-me deles. Embelezam-te a alma,
embelezam a tua casa, embelezam-nos a vida.
São demasiados, amigo : pai, mãe, filhos, esposa,
 a não serem felizes.
Entretanto, o teu sonho é tranquilo,
e eu suponho demais.

Paul Éluard - (tradução)