quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Viver...conhecer-se...

Não existe homem algum sobre a terra que não seja capaz de ser, de viver, porque isso está escrito no desígnio da sua pessoa, no seu nascimento; faz parte essencial da sua própria natureza..
Não é necessário ter estudado ou ser sobredotado para aprender a viver. Nem sequer é necessário ter um corpo são ou íntegro para saber viver. Ter sanidade psíquica é fazer projectos, mas, sobretudo, ter objectivos e procurar atingi-los, apesar das próprias limitações, com todas as forças. Só assim se poderá ter consciência de existir.
Conheci gente bela, saudável, rica, inteligente e, apesar disso, vazia, cansada, deprimida, incapaz de viver.
Porquê?
Porque não tinha consciência de ser, de existir. Não é um corpo, uma mente, que nos tornam conscientes, mas é o sentido que damos ao corpo, à mente, que nos faz sentir que estamos vivos e, portanto, conscientes.
Somos. Existimos.
E só pelo facto de existirmos, deveríamos estar conscientes do encargo que, de algum modo, cada um de nós possui, qualquer que ele seja. Todos temos um papel a desempenhar.
Temo-lo todos! Basta procurá-lo.
Todos conhecemos pessoas com um corpo não muito belo, mas felizes, contentes. Como se explica?
Se não existe conhecimento sobrevém a morte, mesmo num belo corpo saudável.
A consciência ultrapassa o tipo de corpo, de riqueza, ou de poder que possamos ter.
É forçoso dar sentido a nós mesmos e às coisas que nos circundam.
É este o verdadeiro sentido da vida.
Riqueza, beleza, sexo, não têm valor algum se não lhes dermos sentido. Todavia a maioria dos indivíduos persegue-os sem saber que, uma vez alcançados, não terá paz, não terá felicidade, enquanto não lhes der sentido.
Sem sentido, existe o nada.
Quer queira, quer não,o indivíduo é obrigado a dar sentido à vida se quiser encontrar paz e serenidade. Ou uma contínua neurose acompanhá-lo-á até à morte.
Quantas vezes o encontro com uma pessoa não muito bela ajudou a dar sentido à nossa felicidade, à carne, ou seja, ao corpo.
Com um corpo doente, ou se o conservarmos saudável , o dar-lhe sentido é trazer sentido à existência.


Valerio Albiseti, in Para ser Feliz (adaptado)