Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 11 de junho de 2013

Chegou a noite...



Chegou, chegou a noite silenciosa,
Com pés de sombra, olhar de lua, e tudo
Perde a crueza dolorosa
Sob esfuminhos de veludo...
[...]
Chegou, chegou a noite escancarando as portas
Da imensa catedral do firmamento!
Neste instante de Vida, haverá almas mortas?
Mal sem arrependimento?

Humano coração que não descansas,
Mar Negro que sempre sobes,
Deixa-te adormecer como as crianças,
Chegou a noite... miserere nobis!

José Régio