domingo, 18 de agosto de 2013

Pálida e loira...


Morreu. Deitada no caixão estreito,
Pálida e loira, muito loira e fria,
O seu lábio tristíssimo sorria
Como um sonho virginal desfeito.

- Lírio que murcha ao despontar do dia,
Foi descansar no derradeiro leito,
As mãos de neve erguidas sobre o peito,
Pálida e loira, muito loira e fria...

Tinha a cor das rainhas das baladas
E das monjas antigas maceradas,
No pequeno esquife em que dormia...

Levou-a a Morte em sua garra adunca!.
E eu nunca mais pude esquecê-la, nunca!
Pálida e loira, muito loira e fria...

Gonçalves Crespo, Líricas e Bucólicas