terça-feira, 10 de setembro de 2013

Três ou quatro sílabas...


Neste país
onde se morre de coração inacabado
deixarei apenas três ou quatro sílabas 
de cal viva junto à água

É só o que me resta
e o bosque inocente do teu peito
meu tresloucado e doce e frágil
pássaro das areias apagadas

Que estranho ofício o meu
procurar rente ao chão
uma folha entre a poeira e o sono
húmida ainda do primeiro sol

Eugénio de Andrade, Véspera da Água