quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Navego no cristal...


Navego no cristal da madrugada,
Na dureza do frio reflectida,
Onde a voz ensurdece, laminada,
Sob o peso da noite e do gemido.

Abre o cristal em nuvem desmaiada,
Foge a sombra, o silêncio e o sentido
Da nocturna memória sufocada
Pelo murmúrio do dia amanhecido.

José Saramago