quinta-feira, 31 de maio de 2012

Vai sendo tarde...


Vacilantes perdem-se agora os dedos,
o mar é longe, vai-se a voz quebrando,
para morrer vai sendo tarde.

Não duvides: já fui essa árvore,
essa alegria só prometida às aves...

Eugénio de Andrade, Matéria Solar,27