terça-feira, 11 de outubro de 2011

Ruptura


A noite fende -
o silêncio
escorre do muro.

De quanto os dedos
lembram ainda,
só o vento respira.

Já a minúscula
língua da erva
chama pela neve.

O silêncio
é o meu domínio:
a terra é leve.

eugénio de Andrade, Obscuro Domínio