terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Reflexão




Livro no regaço, pés sobre o coxim,
Devaneio, insone, toda eu presa a ti,
Imbuído que está meu pensamento
Que se projecta no tempo do que li.

Medito calma na noite de cetim;
Sofro calada o fogo de um anseio
E nunca entendo o teu silêncio que proveio
De malquerer, egoísmo, ou algo assim...

Pressinto então em mim o ardor do pranto
E não te suplicar amor é o mais certo.
Por instinto sei e não me espanto
Que quando for para ti um livro aberto
Tu não vais querer mais saber de mim...

Sofia Guiomar, Amargura, 2009-08-13