quarta-feira, 29 de junho de 2011

As cegonhas...

As cegonhas.
Trazem-me o adro,
duas casas,ou três, se forem brancas,
a torre onde pousavam

lentas, eu tinha então
a idade das amoras,
o sol sufocava sobre a boca,
lembras-te?, ou o peso doutra boca,
doutra razão, já não sei,
corria à pedrada
os cães de que tinhas medo,
e fugia de ti para afagar

em segredo
o baiozinho que então namorava.

Eugénio de Andrade, Branco no Branco