terça-feira, 20 de agosto de 2013

As Coordenadas Líricas...


Deixou-me o paralelo um quase nada
e tudo escureceu:
era luz disfarçada em madrugada
a luz que me envolveu.

A geométrica forma de meus passos
procura um mar redondo.
Levo comigo, dentro dos meus braços,
oculto, todo o meu mundo.

Sozinha já não vou. Apenas fujo
às negras emboscadas.
Em cada esfera desenho o meu refúgio 
 - as minhas coordenadas.

Fernanda Botelho, As Coordenadas Líricas