terça-feira, 31 de maio de 2011

Dignidade...



«A dignidade da inteligência está em reconhecer que é limitada e que o universo está fora dela.
Reconhecer, com desgosto próprio ou não, que as leis naturais se não vergam aos nossos desejos, que o mundo existe independentemente da nossa vontade, que o sermos tristes nada prova sobre o estado moral dos astros, ou até do povo que passa pelas nossas janelas... nisto está o vero uso da razão e a dignidade racional da alma.»


Barão de Teive, A Educação do Estóico[Obras de Fernando Pessoa]