sexta-feira, 3 de junho de 2011

Indução



Há em todas as coisas
a marca estranha
da minha presença.

Sons, palavras, imagens,
tudo eu desfiguro e desfeio.
As pessoas, à minha volta,
têm gestos sonâmbulos
- os meus gestos imitados.
Rondam-me como espias,
precedem-me como agonias.
As coisas começam onde eu acabo.
Os berros
se atravessam muros e janelas
logo se rasgam
no estilhaço dos meus olhos.
Escurece o sol
onde o meu pensamento de trevas
poisa.

... as minhas ilusões de claridade!

Fernando Namora, (Relevos, in As Frias Madrugadas)