quinta-feira, 2 de junho de 2011

Paraíso perdido



Que vens aqui fazer, espírito velho
De tudo o que foi perdido
e nunca mais achei?

Então...
ainda eu olhava o mundo
com meus olhos de manhãs azuis,
e nos lábios
havia ainda a ternura dos beijos moços
como a relva dos prados.

Foi mais tarde...
que a vida entardeceu.
(Tardes enevoadas e frias,
abandonadas,
ermas,
tristes como eu...)

Foi mais tarde...
que a tal desgraça se deu.

João José Cochofel, Búzio