domingo, 6 de julho de 2014

Primavera outonal...


nasceu o dia num resplendor de bruma
céu e nuvens tamizam a claridade
a chuva cai direita em melodia doce
e ouve-se silêncio nas ruas da cidade.

pensamentos/desejos são apenas espuma
de dias a passar morrendo esmorecidos;
calo em mim cansaços de sentidos
e perco longe o olhar nas linhas do horizonte.

está mais um domingo a passear pelo monte
e mais e mais uma saudade quebrada pela bruma
se quebra em mim em eterno queixume
fantasiada de outono
 diluída em espuma
amante da solidão
 prisioneira das aves
carente - estática - estremecida
numa aura de espantos breves e suaves
que ligam pouco à vida...

de há muito orfã do mar
 inveja só das aves o voar.

SG - (julho-2014)