domingo, 1 de maio de 2011

Fingimento



Há quem goste de fingir
E repartir sua verdade
Em pedacinhos de dor
Ou amor
Por aqui... Ou acolá...
E eu aceito
Eu acato essa vontade
Fingindo também
Na minha lealdade.

E chego a acreditar
Por um instante
Que é natural
Haver quem goste
De usar a sua máscara
E assim conciliar
As opostas
Mil e uma realidades
Do mundo virtual.

Mas às vezes surge a revolta
Contra a minha natureza
Ao procurar a beleza
Sinceridade, firmeza,
Além do irreal.

*25.03.10*