terça-feira, 7 de julho de 2009

Ascese


Voa, minha'alma, ergue-te às alturas,
Não te deixes prender pelo caminho.
Quebra as algemas de cadeias duras,
Voa bem alto, como um passarinho...

É íngreme a subida e eu adivinho
Quantos esforços, quantas amarguras...
Mas não te iludas no prazer mesquinho,
Sobe 'inda mais que é mais o que procuras.

Que importa que te trocem, te maldigam,
Que importa que no mundo te persigam,
Tentando amanhecer teus ideais?

Sobe mais alto! Até à eternidade!
E ainda que te firam por maldade
Que importa, minh'alma? Sobe mais!

Maria Margarida Espinho