sábado, 29 de agosto de 2009

Menino triste


Estás triste, coração,
E estás cansado
A revolta não te leva
A nenhum lado
E quem sou eu afinal,
P'ra to dizer...

Perante a indiferença da partida,
Pairou no ar, no vento,
Em despedida,
O soluço calado,
Magoado,
Talvez ainda verdade,
Fatigado,
Desse adeus
Condenado
[...tão presente].

A noite calada,
Macerada,
Só falou de ti.

E eu acariciei a noite
Lentamente;
Beijei-a com ternura,
Com a imensa doçura
Num coração, latente.

Num sussurro,
O minuto, o segundo,
Quedou selado
No cofre do presente.

... E se um dia a solidão
Não souber onde morar,
Vem, meu amor,
Vem então,
Vem-me buscar.

M.Silva -[21-05 /13-08-2009]