segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Perseguir


Persigo o teu rasto, a tua imagem,
o muito e o pouco que de ti conheço
sem nunca ter certeza se és mesmo tu
ou a ideia que de ti fiz e faço.
Incessantemente te sigo nesse espaço
tentando acalmar o amor que te consagro
sedenta desse algo estranho e muito teu
que resta na esteira de teus passos.
Nunca senti os típicos cansaços
de perseguir apenas a ilusão
porque, afinal, ao sol de cada dia
foram criados profundos laços
de um encantamento
pleno de ternura e alegria.
Bem hajas, amor, pela primavera
que provocou em mim essa quimera
de viver a ilusão de não estar só.

Sophia Guiomar, 2009