sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Gato bravo - bravio


Não sei se és real ou se te imaginei

Mas uma coisa eu sei - ficaste dentro de mim

Como a linda e macia fita de cetim

Esquecida e suave no fundo do baú

Como uma estranha e doce emoção...

Juntaste-te a tanta outra velharia

Restos de oferenda, de canção,

Com muitas pontas de melancolia.

Fazem elas, porém, parte de nós,

E são vaga e recôndita certeza

Testemunham que nem sempre estivemos sós

E se não nos enleiam, nem nos fazem sonhar,

Trazem consigo gritos de ausência

Quando verbos como encantar, amar, apaixonar

Foram já sinónimos de sofrer e de chorar...

E fazem da saudade a sua essência.




Sophia Guiomar [03-09-2009]