sábado, 5 de março de 2011

E entanto...




E entanto meu amor se te quero tanto
tanto que dói falar dói respirar
se cada suspiro fundo morre num recanto
nas recordações desse jardim do encanto
onde um dia alguém brincou sem magoar.

E fico bordando a pétala de uma grande flor
no linho tecido de estrelas que alveja no luar
e rego de preces cada gota da chuva do amor
abafado sob cinza p'ra lhe estancar o ardor
sonhando o dia e hora para te encontrar.

E gostaria também de dizer a toda a gente
e gostaria de viver de rir e de cantar
e de ver-te surdir da neblina e de repente
num passo de magia branca e inconsequente
poder lançar-me ao teu pescoço e te abraçar.

Thaís Juromenha, in Cofre de emoções