domingo, 3 de abril de 2011



Vês?...
Fizeste escorrer água nestas mãos
e recusaste as ternas carícias
que vinham até ti em sonhos sãos...
e que quedaram desalentadas e vazias,
proibidas de tocar tuas delícias
corroídas pela dor e exaustão.

E neste espaço que para mim criaste
fica para sempre a marca ensandecida
daquele sonho para sempre adiado
de uma triste alma imersa em solidão.