sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

À luz das velas




Levantou-se lá fora tanto vento!
Que dizes? Vou fechar estas janelas?
Faz-me impressão que trema a luz das velas
e assim é mais completo o isolamento.

Passamos o serão. Às vezes tento
abafar as palavras e vencê-las.
Então falo de tudo - céu, estrelas,
tento ocultar o estranho encantamento.

Ele entende estas coisas e define-as...
"Não achas lindo o ramo das glicínias
antes sobre esta mesa? Eu vou mudá-lo."

Silêncio... Toda a vida está no olhar.
Morre o perfume... a luz... - Falar! falar!
- O que eu te digo, amor, quando me calo!

Virgínia Vitorino, Namorados