quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Intimidade


Vieste. Abri-te feliz a porta da minha intimidade
Para um amor que nasceu da música das palavras
No carinho que brotou por um desconhecido...

Só não sei porque partiste à pressa
Com medo do meu amor e de procurar-te
Talvez no gelado vento
Do meu sofrimento.

No ar pairou apenas o teu cheiro
E a cruel necessidade de varrer,
Ainda que com doçura,
Imensa ternura
E uma secreta mágoa,
O pó fininho
Impresso
No chão escuro...
Eco longínquo
E manso
Dos teus passos.

Sophia Guiomar, Av. 18-12-2008